Páginas

Seja um seguidor e receba nosso axé

Pesquisar assuntos deste blog

Leia também neste site

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Mãe Menininha do Gantois



MÃE MENINHA, “ONTEM, HOJE E SEMPRE”

Salve Mãe Menininha, uma das grandes se não foi a maior das personalidades que o mundo do Candomblé já conheceu. Maria Escolástica da Conceição Nazaré (Mãe Menininha dos Gantois), sempre será lembrada pelo povo do Brasil e da tradição religiosa afro-brasileira.

No ano de 1994, a 10 de fevereiro, transcorreu o centenário do nascimento de Escolástica Maria da Conceição Nazaré, mais identificada como Mãe Menininha do Gantois.

A profunda relação entre a personalidade de Mãe Menininha e segmentos do mais alto significado no processo cultural brasileiro, justifica a emissão Salva dor-Bahia, de um selo postal comemorativo à data.

A Cidade de Salvador-Bahia, que foi, durante sécu los, o mais importante por to de ingresso da gente afri cana e, com ela, da cultura do outro lado do Atlântico, incorporou e conservou va lores religiosos de imensa valia e importância, que ti veram, em Mãe Menininha, uma das mais altas expres sões de sabedoria.

Na sua casa de culto manteve, autêntica e respei tável, a herança que rece beu. Ali, com competência inexcedível, aquela filha de Oxum dirigiu yaôs, ekedis, alabês e ogans em clima de fidelidade ao legado e de sadia convivência com os demais segmentos baianos. O centenário do nasci mento de Mãe Menininha do Gantois, destaca-se dentre as inúmeras homenagens que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos tem prestado homenagem a grandes personalidades marcantes do cenário cultural brasileiro.



PROF. CID TEIXEIRA - Presidente da Fundação Gregório de Mattos

Jorge Amado não viaja va sem ouvir suas recomendações. Dorival Caymmi não dava um passo sem consultá-la primeiro. António Carlos Magalhães seguia seus conselhos a ferro e fogo. E Vinícius de Moraes corria a escutá-la quando estava na Bahia. Ninguém sabe ao certo quem foi a pri meira personalidade a fre qüentar o Terreiro do Gantois, em Salvador, mas o fato é que os braços acolhedores, de Mãe Menininha, nunca estavam parados. Fos se recebendo seus numero­sos filhos-de-santo - o tele fone tocava pelo menos 20 vezes por dia, com ligações de todo o País -, fosse preparando os saborosos acarajés, caruru e vatapá, como só ela sabia fazer, nenhum tra ço de exaustão perturbava a rotina da guia espiritual mais paparicada da Bahia.

Neta de escravos, Maria Escolástica da Conceição Nazaré (nascida a 10 de fevereiro de 1894 na capital baiana), foi escolhida, na in fância, pelos santos do Can domblé como mãe-de-santo do terreiro fundado pela avó. Ainda criança, sem co nhecimento suficiente para assumir o posto mais alto na hierarquia da religião - o de ialorixá, que dita as regras e comanda todo o funciona­mento da casa - foi iniciada nos rituais pela tia Pulquéria, sua antecessora. Era então uma moça quieta e franzina, e não escapou do apelido que a acompanhou pelo resto da vida. Aos 28 anos, assumiu definitiva mente o terreiro. "Quando os orixás me escolheram eu não recusei, mas balancei muito para aceitar", contou certa vez. Na época, o can domblé vivia uma fase de perseguição a paus e pedras. Relegados ao submundo religioso, os rituais termi navam subitamente com a chegada da polícia.



"Vem olhar, doutor". A partir da década de 30, a restrição arrefeceu, mas uma Lei de Jogos e Costumes exigia que o Candomblé só fosse celebrado em horários espe cíficos, com a autorização de uma delegacia específica. Quando passava das dez da noite, lá vinham os polici­ais. "Isso é uma tradição ancestral, doutor", dizia a ialorixá ao delegado, com sua paz interior que pouco a pouco se apoderava dos outros. "Venha dar uma olhadinha o senhor também". E o jeito melindroso de Mãe Menininha, não só evitou o fechamento do terreiro, como venceu a re­sistência religiosa do che fe da Delegacia de Jogos e Costumes, que escutou o chamado dos santos e se tornou um praticante da re ligião depois da extinção da lei, em meados dos anos 70 - a própria Mãe Meni ninha foi uma das princi pais articuladoras para o término das proibições.

Como outras crenças, no início do século a religião afro-brasileira também era carregada de conservadorismo. Passar em frente de uma mãe-de-santo sem baixar a cabeça era grave ofensa para os segui dores da casa. "Como um bispo progressista na Igre ja Católica, Menininha mo dernizou o Candomblé sem permitir que ele se transformasse num espetáculo para turistas", analisa o profes sor Cid Teixeira, da Univer sidade Federal da Bahia. In formal e bonachona, não he sitava em abrir as portas do Gantois para brancos e ca tólicos - uma abertura que, em muitos terreiros, ainda hoje é vista com certo estranhamento.

Programa evangélico Ecumênica, Mãe Menininha nunca deixou de assistir à missa, numa prova de que o sincretismo religio so da Bahia não é mero chavão. Podia comungar pela manhã e celebrar os rituais do Candomblé, à noite. No meio tempo, cui dava das duas filhas - Cleusa e Carmem - e coor denava todas as atividades do terreiro. Não eram poucas, já que dentro do próprio Gantois criavam-se galinhas e cultivava-se milho. Sem cobrar um tos tão, passava o dia atenden do seus seguidores. Para dar uma trégua aos santos, entregava-se de corpo e alma a pequenos prazeres. Cuidava com esmero da vasta coleção de objetos de louça, presentes dos filhos-de-santo ilustres. Quando estava assistindo aos capí tulos da novela Selva de Pedra, ninguém arriscava importuná-la, e, grudava no rádio colocado no criado-mudo do quarto, para escutar programas evangé licos e música popular (uma de suas cantoras pre feridas era Maria Bethânia), ainda hoje freqüentadora do Gantois, junto com o ir mão Caetano Veloso.

Por trás das poderosas lentes dos óculos da mãe-de-santo havia uma mulher de força inabalável. Mais que superar preconceitos e afirmar o Candomblé como símbolo da cultura negra, abriu a seita para novos se guidores. Mais que ser ca tólica, convenceu os bispos a permitir a entrada nas igre jas, de mulheres com os tra dicionais vestidos do Can domblé. Vestidos que ela mesma exibia com elegân cia: brancos para Oxalá, dourados para Oxum e azuis para Oxossi.

Sucessora, com sua paciência invejável, não se cansava de tirar dúvidas sobre o Candomblé. "Deus? O mesmo Deus da Igreja é o do Candomblé. A África co nhece o nosso Deus tanto quanto nós, com o nome de Olorum. A morada Dele é lá em cima e a nossa cá embai xo", explicava.

Mãe Meni ninha morreu a 13 de agos to de 1986, aos 92 anos. Sua sucessora foi à filha Cleusa, que morreu no fi nal do ano passado. A nova ialorixá do Gantois será es colhida até novembro, numa cerimônia que pode durar até um mês.

Axé Mãe Menininha que sua luz ilumine a todos e que seu amor nos una sempre

Emidio de Ogum

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não somos donos da verdade, mas sim contribuintes a boa divulgação dos ensinamentos da Umbanda, caso tenha algo para acrescentar ou corrigir envie para nós.
Obrigado

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Leia o Blog e Ouça este lindo Hino dos Orixás

Histórias dos Mestres

Aqui nosso E Mail mande sugestôes - espadadeogum@gmail.com

Pai Oxalá

Jesus

Conselheiros dos Guerreiros do Axé

Conselheiros dos Guerreiros do Axé
Pai Leonardo e Pai Emidio de Ogum

Rubens Saraceni e Leo das Pedreiras

Rubens Saraceni e Leo das Pedreiras
Pai Leo das Pedreiras

Eterno Mestre

Eterno Mestre
Este senhor ensinou a humildade e nunca usar um dom para ganhar algo em troca.

Mais de 10 milhões de Visitantes - Que nosso Pai Ogum ilumine seus caminhos

Pomba Gira

Oração de São Francisco por Maria Bethania

São Francisco

Oração a São Francisco