Páginas

Seja um seguidor e receba nosso axé

Pesquisar assuntos deste blog

Carregando...

Leia também neste site

terça-feira, 3 de novembro de 2009

A Pemba na Umbanda



A PEMBA

INTRODUÇÃO: Com a pemba tudo se pode fazer em Umbanda, bem como, em todos os Rituais Africanistas e, no entanto, é o objeto sagrado mais profanado.Tenho observado, que qualquer pessoa usa sem saber, e sem o preparo devido, para o que está fazendo .
Mas isso, não é o pior ! Há Entidades Espirituais que a empregam sem o conhecimento de causa, o que se pode verificar com facilidade. Quando incorporam em um médium, solicitam a pemba e saem riscando por aí a fora . Estas Entidades são iguais aos Umbandistas inexperientes, que tudo quer resolver, sem nada saber .”Conceda a pemba às Entidades, com parcimônia, observando o que estão fazendo”. Na maioria das vezes, não estão fazendo nada mesmo e são como crianças que imitam os adultos. E, outras vezes, são iguais aquelas pessoas que sabem escrever em línguas estrangeiras que não conhecemos, e se divertem a escrever barbaridades, pois estão conscientes de que não entendemos o que estão fazendo . E, assim, temos várias Terreiras de Umbandas, com falsas Entidades . Por isso, quando entregar a pemba para as Entidades desconhecidas, ou para a que não tenha confiança, use outra pemba e vá desmanchando aquilo que a Entidade, de má fé, está atraindo para o ambiente de seu trabalho . O uso da pemba é abusivo e, na quase totalidade dos Terreiros de Umbanda.
Mais uma vez; venho agradecer, ao saudoso e amigo “Mestre Prof. José Coelho”, aos conhecimentos obtidos; extensivo, ao Instituto de Pesquisas e Práticas Espiritualistas – Pelotas – RS. – Casa, que, realmente se faz um verdadeiro Sacerdote de Umbanda . Digo: Apenas foi um militante e, estudante da Doutrina da Umbanda, há que é praticada em Pelotas-RS.


Nota: Lembre-se, que só pode usar a “pemba”, quem têm àse (axé) e, conhecimento para usa-la.
Vigie: A “pemba” é uma espada de dois gumes, - tanto pode cortar para “ o “Bem”como para o “Mal”.
O Senhor é livre, pois têm o livre arbítrio!!! A força que recebeu no àse (axé) é sua . Faça, conscientemente, o uso que melhor lhe aprouver!!! “Não semeie ventos para não colher tempestade”.
“Que a força de Tupã, esteja contigo,Irmão” !!!
Os donos da pemba: A pemba têm como Orixá Regente o Okê – Senhor dos montes -, e como Orixá Coadjuvante a Oxum – Senhora do rio e do lago. A Entidade Egum protetora, denomina-se “Mepemba”, a própria lenda nos dá esse conhecimento.
Nota: a) Toda lenda encerra uma verdade esotérica;
b) Habitue-se a ler, não com olhos da carne, e sim, com os do espírito e, descobrirá verdades profundas, que são veladas ao profano;
c) Procure por si, desvendar os Olhos de Ísis.

PREPARO DA PEMBA PARA O TRABALHO: Quando se toma uma pemba nova, o primeiro cuidado é saber prepara-la. A pemba pode ser de uso individual ou coletivo, no seu preparo, leve em consideração a finalidade a ser empregada.
Sendo para o uso individual o preparo de “imantação- fluídico-magnético”é feito sobre o “Ponto Individual” do o perante .
Quando se trata de pemba para o uso coletivo, a “Imantação”é feita sobre o “símbolo da falange protetora da Sociedade (Terreira)”. A sua preparação consiste:

1a) Saúda Okê; Oxum: Mepemba e dono da cor da pemba;
2a) Trace com outra pemba, já preparada, o símbolo individual ou da falange, conforme o caso, saudando-o;
3a) Desfluidifique-a com as mãos e procure retirar os fluidos estanhos, caso exista;
4a) a.) Tome-a com as duas mãos, segurando com as pontas dos dedos polegar e indicador, as suas extremidades ;
b) Eleve-a e, com a força da mente, atrair do alto, fluídos puros para a pemba em preparo;
c) Traga-a até ao centro fluídico do símbolo traçado, sem deposita-la sobre o símbolo;
d) Respire fundo, enchendo os pulmões de ar (prana), curve-se e, com os olhos, emita fluídos magnéticos em direção a pemba, que simultaneamente, é girada nas pontas dos dedos, para ser imantada em toda a sua superfície e depois fluidifique as suas pontas e, só aí, suspenda a respiração corrigindo-a com duas aspirações profundas;
e) Sempre com a pemba segura entre os dedos das duas mãos, trace o ponto no ar, sem tocar, imantando a pemba no ponto traçado. Chame mentalmente pelo dono ou donos (falange) dos pontos;
f) Caso a pemba não seja para uso imediato, guarde-a em volta de algodão, em lugar fechado e longe dos olhos de estranhos;
g) Saúda o dono ou donos do ponto (falange) novamente, ao seu Pai de Cabeça e, a pemba está preparada para o fim que se deseja
h) Quando se tratar de trabalho especial, a pemba é preparada sobre o símbolo adequado e, por vezes, com a cor conveniente. A sua preparação é idêntica às demais, levando-se em conta as saudações correspondentes.
Nota: A pemba preta é preparada sobre os símbolos de “Omulú e Exu”. Prepare-a duas vezes. Não a use. Prepare e prefira a cor cinza, ou junto com a pemba branca, nos trabalhos mágicos de destruição (trabalhos de demanda).

COMO UTILIZAR A PEMBA: Quando se vai trabalhar com pemba é necessário saber usa-la e, por isso, necessário se torna ter os seguintes cuidados :
a) Desfluidificação da pemba – retire com carinho e respeito a pemba de sua proteção em algodão e a coloque entre as mãos. Saúda Mepemba, pedido licença : Ago ! Ago ! êi ! Mepemba! Depois a desfluidifique ( por ação magnética), rolando-a entre as palmas das mãos. Role-as várias vezes. Com esta operação, procure retirar os fluídos estranhos que por ventura nele houver: “TIRE DA PEMBA PARA AS MÃOS”.
b) Fluidificação das mãos: Saúda Okê e Oxum, pedindo proteção e licença para o trabalho que se vai realizar:
Ago! Ago ei ! Okê
Ago! Ago ei! Oxum

Continue a rolar a pemba nas palmas das mãos, mas agora é de fluidificação das mãos, por fricção magnética da pemba contra as mãos, com proteção de Okê e Oxum: “TIRE DA PEMBA PARA AS MÃOS, MAIS IRRADIAÇÕES DE OKÊ E OXUM”.

c) Fluidificação da pemba: Saúda a sua irradiação principal ( Pai de Cabeça). Continue rolando a pemba entre as mãos e a fluidifique com seu próprio magnetismo, por fricção das mãos contra a pemba e a irradiação de seu Pai de Cabeça: “TIRE DAS MÃOS PARA A PEMBA, MAIS IRRADIAÇÃO DE SEU DONO DE CABEÇA”.
Saúde Oxalá se a pemba for branca, ou ao Orixá que corresponda a cor da pemba que está preparando. Daí em diante, a pemba está pronta para ser utilizada. Lembre-se que toda a vez que a abandone, durante o trabalho, deve protege-la com algodão e , quando vai utiliza-la novamente, deverá rola-la entre as mãos rapidamente. Não há mais necessidade de saudações. Isto será feito em outro trabalho, em outro dia.

d) Encerramento: Terminado o trabalho, faça saudação à Okê, Oxum, Mepemba e ao Orixá que corresponda a pemba, em relação a cor e, agradeça suas proteções. Guarde a pemba, com cuidado, em volta de algodão, para resguarda-la de fluidos estranhos a sua natureza.
Nota: As saudações e licenças às Entidades Donas da pemba e ao Dono de Cabeça, preferencialmente, devem ser feitas “MENTALMENTE”.
Cuidado com os profanos!!!
Cuidado com os imitadores!!!

CRUZAMENTO COM A PEMBA: Entende-se por cruzamento, fazer cruzes, no caso, com pemba. A cruz pode ser simples, a de 4 braços iguais, ou a de 8 braços ( cruz de Umbanda) , que é a preferível, não só pelo seu significado, mas ainda, por seu maior contato com o “Ente” que está cruzado ( maior exposição de superfície).

1a) No corpo humano:
a) Tome a pemba, depois de observar as regras “como utilizar a pemba”e, fluidifique por fricção as partes do corpo que deseja cruzar. Esta fluidificação deve ser feita em Cruz de Umbanda com a pemba . Saúde o seu Dono de Cabeça e invoque o Dono de Cabeça do Paciente e, solicitando permissão para o trabalho,comece o cruzamento na seguinte ordem:

1) Articulação do pulso direito;
2) Articulação do tornozelo esquerdo;
3) Articulação do pulso esquerdo;
4) Articulação do tornozelo direito;
5) Articulação do cotovelo direito;
6) Articulação do joelho esquerdo;
7) Articulação do cotovelo esquerdo;
8) Articulação do joelho direito;
9) Articulação do ombro direito;
10) Articulação da parte superior da perna esquerda;
11) Articulação do ombro esquerdo;
12) Articulação da parte superior da perna direita ;
13) Nuca ;
14) Peito ;
15) Testa ( chakra frontal);
16) Cóccix ( chakra básico) ;
17) Pescoço ( chakra laríngeo) ;
18) Estômago ( chakra umbilical) ;
19) Baço ( chakra esplênico) ;
20) Coração (chakra cardíaco) ;
21) NÃO. Parte superior da cabeça ( chakra coronário) .

Nota: a) Estes são os 21 pontos sagrados de contato, cruzamento com a pemba . O ponto 21 ( chakra coronário) só pode ser usado pelo Bàbálòrìsàs ou Yálòrìsàs, ou seja, por instrutor espiritual capacitado, ou como comumente se chama de Africanismo, o Feitor da pessoa – o Preparador-, embora a maioria das vezes seja ignorante em assuntos esotéricos e espirituais, mas tem a força e prática que o capacitam para tal operação;
b) Neste cruzamento deve ser usada somente “pemba branca”;
c) Pode-se usar pemba de cores para os contatos físicos básicos dos chakras, mas é necessário saber a cor da pemba correspondente a cada chakra, o que dificulta o trabalho, e não apresenta grandes vantagens. Lembre-se de que “o branco é o conjunto de todas as cores”;
d) Não faça uso das pembas de cores, enquanto não lhe for dada a permissão para usa-las. Mais tarde pelo Instrutor Espiritual, ser-lhe-á dada está permissão.

“A PACIÊNCIA É VIRTUDE DO OCULTISTA”.

No corpo humano:
b) No trabalho comum de Umbanda o cruzamento com pemba é bem mais simples. Basta invocar o Pai de Cabeça do paciente pedindo licença e cruza-lo na seguinte ordem:

1) Articulação do pulso direito; 2) Articulação do pulso esquerdo.

Nota: Caso se torne necessário, cruze, ainda, na nuca . Poderá, ainda, seguir a ordem abaixo mais completa:

1) Articulação do pulso direito;
2) Articulação do tornozelo esquerdo;
3) Articulação do pulso esquerdo;
4) Articulação do tornozelo direito;
5) Articulação da nuca ;
6) Coração;
7) Testa;

Nota: a) O cruzamento da letra “A” é feito:
1) Para pessoas doentes, que necessitam fluídos vitais. É um trabalho delicado e, somente mais tarde lhe será dado ciência dos conhecimentos necessários para a sua execução;
2) Para pessoas facilmente influenciáveis com Entidades barônticas (sofredores) . Poderá faze-lo com êxito;
b) O cruzamento em “B” é um trabalho de resguardo. É uma proteção fluídica de garantia, além de ser o primeiro contato do Dirigente do trabalho com seus colaboradores ( auxiliares e médiuns);

2o) EM RESIDÊNCIAS: Têm por finalidade à atração fluídica benéfica para o “ambiente”e, procede-se da seguinte maneira:
“Traça-se, com “pemba branca”, a “Cruz da Umbanda”( com8 braços) , em locais resguardados como: “atrás de portas, janelas e moveis. Enfim, dissemine este símbolo por toda a residência nesta ordem : “da frente para os fundos da casa”. Antes deve invocar seu Dono de Cabeça e a falange protetora de sua Sociedade e os protetores daquele lar, residência coletiva ou estabelecimentos comerciais. Deixe os símbolos por 24 horas e depois elimine-os convenientemente”.

Nota: Este trabalho faz parte do que se chama : “Limpeza de Casa”. Portanto, pode ser empregado em emergências, mas, o melhor será um trabalho de limpeza extra-física do ambiente, seguido de outro, com finalidade de atração fluídica benéfica; consulte , sempre, o seu Bàbálòrìsà ou Yálòrìsà, de Nação e não de Umbanda, nestes casos.

3o) EM DOCUMENTOS: Têm por finalidade influenciar a pessoas aquém são em caminhados.
“NÃO PEÇA NADA À QUEM NÃO TENHA DIREITO”

O procedimento é simples:

“Invoque seu Dono de Cabeça, e faça a invocação simbólica dos Donos de Cabeças das pessoas aquém dirige o documento e, a seguir, trace cruzes de Umbanda o mais disfarçadamente possível no documento. “Três cruzes bastam”.

4o) CRUZAR OBJETOS: Procede-se do seguinte modo: “Invoque seu Dono de Cabeça e trace a Cruz de Umbanda no objeto que deseja resguardar. Não deixa-lo exposto a olhares profanos”.

5o) NA NATUREZA: Procede-se do seguinte modo: “Invoque o seu Dono de Cabeça e cruze o local na Natureza ( mato, praia, etc...), onde vai permanecer ou executar algum trabalho Espiritual”.

Nota: Este trabalho faz parte do conjunto de normas para trabalhos Espirituais realizados em contato com a Natureza. Claro está, que pode ser utilizado em passeios sociais no campo, como resguardo de más influências. Assim mesmo, antes de utilizar o lugar onde vai passar o seu fim de semana, por exemplo : peça licença para o Dono Espiritual do lugar.
Obs.: “O UMBANDISTA NADA FAZ SEM PEDIR PERMISSÃO”- Pelo menos, é um índice de respeito e boa educação;


O USO DO PÓ DE PEMBA BRANCA: O pó de pemba branca pode ser usado.

1) No corpo humano: Procede-se da seguinte maneira:
“Invoque seu Pai de Cabeça. Ante, tome o pó de pemba e por imposição das duas mãos, digo: e por imposição das mãos fluidifique-o . Solicite permissão ao Pai de Cabeça do Paciente e, com a palma da mão direita friccione o Paciente nas partes citadas para o cruzamento com pemba e na mesma ordem . Termine a operação saudando o seu Dono de Cabeça, respeitosamente, e agradeça a sua assistência”.
2o) Em residências: O processo é simples e têm por finalidade a atração fluídica benéfica para o ambiente. “Deve-se espalhar o pó de pemba branca por toda a residência, tendo-se o cuidado de o fazer da “frente para os fundos”. Lembre-se que no princípio e no fim do trabalho, deve saudar o seu Pai de Cabeça, a Falange da Sociedade a que pertence e os protetores da residência onde se vai realizar o trabalho”.
Nota: Este trabalho faz parte do que se chama “Limpeza de Casa”.

3o) Em documentos: Procede-se do mesmo modo que o cruzamento de documentos com pemba . Espalhe o pó de pemba sobre o documento. Melhor é associar as duas operações: “Cruzamento com pemba e cruzamento com pó de pemba”.

4o) Em objetos: Realizar, mesmo, que para o cruzamento com pemba . Somente espalhe o pó de pemba sobre o objeto. Mais interessante é associar os dois processos: “Cruzamento com pemba e cruzamento com o pó de pemba”.

5o) Na Natureza: Seu emprego é pequeno. Apenas é usado para preparar o lugar onde se vai trabalhar. O ritual é o comum: “Invocação de Pai de Cabeça, Falange da Sociedade e licença ao Dono Espiritual do lugar”.

6o) Atrativo simpático: O pó de pemba funciona como atrativo social simpático, por “atração dos bons e expulsão dos maus fluídos”. Esta operação deve ser feita pela própria pessoa e da seguinte maneira:
“Passe o pó de pemba no corpo, em geral misturado no talco ou no pó de arroz, fazendo as respectivas saudações de praxe”.
7o) Na massagem com talco : Procede-se da seguinte maneira : “Misture o pó de pemba com o talco que se vai massagear. Antes do trabalho, invoque se Pai de Cabeça, a Falange protetora do Terreiro e Ossãe. Peça licença para o Pai de Cabeça do Paciente e processe a massagem e, ao mesmo tempo fluidifique a parte lesada do doente. Encerre o trabalho como iniciou”.

A FEITURA ESOTÉRICA DA PEMBA: Na confecção ou na fabricação de uma pemba, não basta ter uma boa receita industrial. Que, hoje, é comum, os novos Umbandistas, adquirirem, as mesmas, juntos as Floras, sem saber, a verdadeira confecção de uma pemba. Na fabricação de uma pemba, antigamente, era, e, é necessário, também , possuir certos conhecimentos de ordem “esotérica”, e muito respeito, e sempre dentro do Ritual, ou seja:

1a) A Água: A água a ser empregada é a do rio corrente. Evite cotovelos e reentrâncias, onde a água não é pura. Na falta de água de rio, use a de lago ou lagoa (água doce), como as de fontes, ou vertentes. Enfim, a água deve ser a mais pura possível, mas nunca a destilada ou de chuva. Colha a água em vasilhas destinadas para este fim. As vasilhas não podem ser de metal. Empregue-as de vidro não transparente, para que a luz não penetre na água, depois de colhida. Também as de plásticos servem. Procede-se da seguinte maneira:
“Ao chegar no rio, escolha o lugar onde a água deve ser colhida. Feito isto, na margem do rio ou pouco antes, saúda o Óbará Ajelu, pedindo licença para chegar até a água, assim:
Agò-mi-leu , Óbará Ajelu ! (dá licença de chegar).
Penetre com respeito até chega o rio, e saudando Oxum:
Agò-Ari-eê Oxum! ( saudação à Oxum)

Recolha a água que necessitar e retire-se em seguida, depois de novamente saudar à Oxum:
Agò-ba-mi-ló, Oxum ( peço licença para sair)

Ao sair do mato, ou seja, da beira d’água, peça licença ao Óbará:

Agò-ba-mi-ló, Óbará da praia ou da Oxum, Óbará Ajelu.

A coleta terminou. Conduza a água do rio bem acondicionada, para casa e coloque-a em lugar onde não bata a luz. Tendo um lugar preparado para trabalhos de Umbanda, ou até mesmo, para o Africanismo, tanto melhor.

2a) O pó: A matéria prima para a fabricação de pembas é o pó branco (efum), CaC03 ( carbonato de cálcio), hoje é encontrado em qualquer Farmácia, mas antigamente, tinha que se encontrar na natureza em estado natural, com procedências diversas, em geral de origem orgânica. Ao chegar no local da jazida escolha onde vai recolher o carbonato de cálcio natural. Depois peça licença ao Óbará do local, bem como: Agonjú e Okê. Devemos proceder da mesma maneira, de quando retirar a água, sempre pedindo licença.
Comece por retirar o material ( CaC03) para a feitura da pemba. Tenha cuidado para não usar metais. Use as mãos ou instrumentos de madeira. Recolha o carbonato de cálcio em caixas de madeira isentas de umidade. Não empregue caixas de metal. Devemos novamente, saudar Agonjú e Okê:
Salve Agonjú !
Salve Okê !
Ao se retirar, cumprimenta novamente o Óbará do local:
Lalupo! Lalupo! Lalupo! Obara do local.
Terminada que foi a coleta, leve o material para casa, deixe-o em local adequado ou em sala preparada para trabalhos de Umbanda.
Observação: A maioria das vezes, não é possível recolher o material “in natura”. Adquire-se, então, na “Farmácia”. O procedimento deverá ser o seguinte:
“Ao entrar na Farmácia cumprimente o Obara da Casa (Farmácia), mentalmente:
Agò-mi-leu, Obara da Casa !

Compre normalmente o carbonato de cálcio, veja ( não bicarbonato de cálcio) e, quando toca-lo saúda a Okê e Agonjú. Ao sair saúda ao Obara da Casa :
Lalupo! Lalupo! Lalupo! Óbara da Casa. Agò-ba-mi-ló.

Ao leva-lo para casa guarde-o em lugar seco, em caixa de madeira.

3a) Goma, cola, etc..: Compre na Farmácia e proceda da mesma maneira, que fez com a compra do carbonato de cálcio.

4a) Corante: Usando-se corante natural, este deve ser colhido no mato, onde houver a espécie vegetal desejada, para está ou aquela cor que necessite. Quando chegar na orla do mato, cumprimente o Óbara da beira do mato:
Agò-mi-leu, Óbara do mato (Adague). Agò-mi-leu, Óbara de Oxossi !
E, no interior do mato, saúde Oxossi: Oke! Oke Bamo! Odé ( Oxossi).!
Ao encontrar a árvore ou arbusto desejado, saúde Ossãe ( Òsónyìn).
Salve Ossãe, Eu! Eu! Òsónyìn !

Então, da árvore, retire o material de que necessite, porém, não use metal. O uso das mãos é suficiente. Retire-se do mato, saudando Ossãe e Oxossi (odé). O material retirado da árvore, deverá ser guardado em embalagem de madeira ; de maneira que não penetre luz. Não use caixa de metal para guardar o material. Ao sair do mato, cumprimente o Óbara da beira do mato: Alá-lupo! Alá-lupo! Óbara do mato!
Em casa, proceda da mesma maneira, de que com produtos anteriores. Observação: Quando não puder obter da natureza, recorra à Farmácia e proceda da mesma maneira aos produtos anteriores.

5a) Consagração: Obtido o material para o fabrico da pemba, e seguindo os preceitos esotéricos anteriores, não aplique a receita, de imediato, pois falta “consagrar o material”:
Inicie preparando o local de trabalho, ou seja, o ambiente:
a) Faça a saudação individual;
b) Trace seu ponto individual, batendo cabeça (adobá) e pedindo proteção ao trabalho;
c) Trace o Signo de Salomão ( estrela de 8 pontas) e nele deposite um copo com água, deixando só três centímetros para enche-lo, tendo o cuidado para este esteja bem seco em seu exterior;
d) Invoque Oke; Oxum e Mepemba ;
Salve Oke! Salve Oxum! Salve Mepemba!
e) Acenda o defumador e saúda a Xangô e Orungan:
Salve Xangô! Salve o Povo do Fogo! Salve Orungan! Salve o Povo do Ar!
Use incenso e faça bastante fumaça;
f) Defume toda a sala, a si próprio e conserve o defumador aceso e em prontidão;
g) Coloque todo o material sobre a mesa e comece a trabalhar:

1) A água: Sobre a mesa coloque a água do rio, em uma vasilha perfeitamente limpa. Antes, passe álcool na vasilha para poder usa-la, seca-la bem, e defuma-la. A vasilha não pode ser de metal. Use de vidro, barro ou de plástico;
a) Trace o ponto de Oxum ( ponto de Entidade, Orixá). Desejando, use a pemba de cor adequada. Porém, a pemba branca é suficiente. Saúde Oxum:
Ei-Eu! Ei-Eu! Ari-eê Oxum !

Ponha a vasilha, que deve estar bem seca no seu exterior, sobre o ponto traçado de Oxum;
b) Defume a água com quatro (4) movimentos, cruz simples. Saúde simultaneamente Orungan e Oxum: Salve Orungan! Salve Oxum!
c) Imponha as mãos sobre a água. As mãos devem estar , em primeiro lugar limpas, para depois sim, desfluidificadas com álcool e fluidificadas com pó de pemba branca;
d) Realize a seguinte invocação ou chamada:

Ó OXUM! TU ÉS A DONA DO RIO! TU ÉS A GOTA CHEIA DE ORUN, TRANSFORMA EM FÔRÇA, POR TEU VEÍCULO, A PUREZA D’ÁGUA!
EMANA TUAS FÔRÇAS E CONSAGRA ESTÁ ÁGUA, VITALIZANDO A PEMBA, QUE DELA NASCERÁ !
Salve Oxum! Salve Oxum! Ei-Eu! Ari-eê Ei-Eu - Oxum!

E, a água está consagrada e pronta para ser usada na confecção da pemba, podendo ser novamente guardada em sua vasilha rotulada para o fim que se destina;

2o) O carbonato, os corantes e a cola: Tome uma vasilha bem limpa, desfluidificada com álcool antes de usa-la, colocando-a, em seguida sobre a mesa juntamente com as caixas com corantes e com gomas. “Não use metal nunca”;
a) Trace o ponto de Oxalá ( ponto de Orixá) com pemba de cor ou pemba branca. Saúde Agonjú; Okê e Oxalá : Salve Agonjú! Salve Okê ! Salve o Pai Oxalá!
Ponha a vasilha com carbonato de cálcio sobre o ponto de Oxalá e, ao redor as caixinhas com cola e corantes ;
b) Defume tudo ( carbonato de cálcio, cola e corantes), em cruz simples, saudando “Orungan; Okê; Agonjú e Oxalá. Salve a todos, como antes.
c) Coloque as mãos sobre o carbonato, cola e corantes ( mãos bem limpas e desfluidificadas com álcool e fluidificadas com pó de pemba branca) ;
d) Faça a seguinte invocação:

Ó AGONJU! TU ÉS A VIRTUDE DO PÓ DA TERRA! TU ÉS O BARRO MATRIZ! EMANA A FORÇA DA FORMA NA SUTIL MACIEZ DA PEMBA! Ó OKÊ ! > TU QUE ÉS O TEMPO DA MONTANHA ETERNA! DÁ TUA DURAÇÃO AOS FLUIDOS EMANANTES DA PEMBA! SALVE AGONJU! SALVE OKÊ ! SALVE AO PAI OXALÁ !

Assim, o carbonato, a goma e os corantes estão consagrados e prontos para serem usados, podendo ser guardados novamente. A consagração chega ao fim, podendo-se usar a receita para a “feitura da pemba”.

Nota: Para o encerramento deste trabalho, procede-se da seguinte maneira:
1) Encerra-se o trabalho normalmente, eliminando-se os pontos riscados e fazendo-se as saudações correspondentes;
2) A água do copo deve ser despejada em um verde, fora da casa . E água descarga e, deve-se ter o cuidado para não molhar as mãos ao descarrega-la. Caso isso, aconteça, lava as mãos com álcool;
3) Poderá aproveitar o ambiente formado, caso, pretenda fabricar a pemba logo após a consagração do material;
4) Pretendendo fabricar a pemba em outro dia, prepare o ambiente, convenientemente e, execute o trabalho com muito respeito. Use bastante fumaça ( defumação) .
e) Depois das pembas prontas e secas, - a secagem devem ser natural e longe da luz solar, o que leva alguns dias, consagre as pembas a Mepemba sobre o ponto de Oxalá.

“QUADRO DE CORRESPONDÊNCIA – ORIXÁ X COR DE PEMBA”
“UMBANDA DE PELOTAS - RS.”



Não há dificuldade. É só oferecê-las a Mepemba.
A pemba de cor:
1a) As pembas de cores têm quase que uso exclusivo no traçado de símbolos ( ponto riscados) de Orixás. A cada cor corresponde um Orixá.
a) Por vezes. O Orixá não têm uma só cor. Daí, o emprego de mais de uma pemba de cor para o traçado destes símbolos;
b) Além disso, emprega-se as pembas de cores no traçado de pontos riscados de Orixás individuais;
c) Também, são empregadas no traçado de pontos cruzados de Entidades.
2a) Quando se trabalha em “cromoterapia”, as pembas de cores são úteis pela aplicação da cor adequada ao órgão do corpo humano afetado;
3a) Por outro lado, nos trabalhos de “canalização de energia vital”através dos “Chakras” a cor da pemba pode ser empregada com êxito, - quando se sabe associar o tipo de energia, cor “Chakras” e Orixá - . É um trabalho de cura muito eficiente, porém, de extrema delicadeza que o iniciante não deve tentar. “Tudo têm a sua hora”!

Nota: a) A pemba branca é de uso universal. Pode ser sempre usada;
b) A pemba de cor deve ser empregada com cuidado, delicadeza, “conhecimento e licença”.
d) A pemba preta não deve ser usada pelo Umbandista, usando-se em seu lugar a de cor cinza, quando houver necessidade. O seu emprego, pelo Umbandista, é exclusivo para trabalhos de realização positiva, em contra-posição à trabalhos negativos realizados por “Magos Negros”. Depois de seu uso, deve-se desfluidificar, imediatamente, as mãos com álcool ou até com cachaça e fluidifica-las com pemba branca. A verdadeira pemba preta é feita com carvão vegetal, ( em determinados casos se faz, a mesma, com carvão mineral (pó) ), com grande quantidade de carbono, elemento químico básico da matéria orgânica viva . Daí, seu emprego para a destruição da matéria viva. Já falei demais em maldade.- Saiba para a defesa do BEM e esqueça para o MAL.

Atenção: Lembre-se de que, para receber, temos de dar e, para dar, temos de ter.
O que pode dar para receber? Amor, compreensão, tolerância, dedicação, carinho, fidelidade, consideração e muita Fé.


Axé a todos
Emidio de Ogum
http://espadadeogum.blogspot.com

Leia o Blog e Ouça este lindo Hino dos Orixás

Histórias dos Mestres

Aqui nosso E Mail mande sugestôes - espadadeogum@gmail.com

Pai Oxalá

Jesus

Conselheiros dos Guerreiros do Axé

Conselheiros dos Guerreiros do Axé
Pai Leonardo e Pai Emidio de Ogum

Rubens Saraceni e Leo das Pedreiras

Rubens Saraceni e Leo das Pedreiras
Pai Leo das Pedreiras

Eterno Mestre

Eterno Mestre
Este senhor ensinou a humildade e nunca usar um dom para ganhar algo em troca.

Mais de 5 milhões de Visitantes - Que nosso Pai Ogum ilumine seus caminhos

Pomba Gira

Faça seu cadastro e fale com Pai Emidio de Ogum

Oração de São Francisco por Maria Bethania

São Francisco

Oração a São Francisco